caedjus.com

6 estratégias para escolher revistas científicas

Com o galgar dos degraus da escada do ensino superior, especialmente durante o mestrado ou doutorado, algumas exigências começam a se tornar constantes. Dentre elas encontra-se a necessidade de publicação de artigos em revistas científicas e em eventos de cunho internacional.

Apesar da ideia geral ser simples, escolher uma revista científica ou periódico para publicação, uma que realmente vale a pena, é tão difícil quanto elaborar o próprio artigo.

São centenas de periódicos espalhados por todo mundo, cada um com uma área específica e com uma quantidade de pontuação determinada, esta que vai influenciar diretamente na qualidade do seu currículo acadêmico aos olhos de futuros avaliadores.

Isso porque nem citamos o fato do direito ter milhares de imbricações com as diversas áreas do conhecimento, o que criou vários periódicos específicos para cada uma destas abordagens.

Nós do CAED-Jus, simplesmente pelo fato de já termos passado por isso e saber como é ruim estar sozinho neste momento, vamos te ajudar com estratégias para escolher revistas acadêmicas.

 

 

AFINAL, O QUE SÃO REVISTAS CIENTÍFICAS OU PERIÓDICOS?

Não há diferença. Revistas científicas são publicações periódicas voltadas para o meio acadêmico e de pesquisa.

Nestas revistas são publicados artigos científicos sobre pesquisas desenvolvidas e em desenvolvimento, oriundos de teses e dissertações, em alguns casos de monografias, bem como outros temas de interesse nacional e internacional relacionado à área.

É neste Universo de possibilidades que você encontrará o seu campo de “escavação” pela revista científica que mais se adequa aos seus objetivos.

 

SITES E PORTAIS DE REVISTAS CIENTÍFICAS

Por mais que as informações sobre esses periódicos possam parecer dispersas, existem alguns sites que reúnem informações.

Os exemplos são tantos que não temos espaço para elencar tudo. Vamos partir para um tema polêmico, mas importante na busca pelo melhor periódico. Confira:

 

1) Portal de Periódicos da CAPES (http://www.periodicos.capes.gov.br)

O portal de periódicos da CAPES elenca uma série de revistas nacionais e internacionais de renome, podendo este site ser uma excelente ferramenta de buscas. O Portal tem conteúdo gratuito e para assinantes, o que reduz um pouco escopo de pesquisa caso não haja um certo investimento financeiro.

 

2) Plataforma SciELO (http://www.scielo.br/)

A SciELO, com a sigla para Scientific Electronic Library Online, é uma biblioteca eletrônica com um acervo selecionado de periódicos científicos brasileiros. Desenvolvida pela FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) e a BIREME (Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde), essa ferramenta conta com o suporte do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) e tem acesso gratuito.

 

3) ERIC (https://eric.ed.gov/)

A Educational Resources Information Center é uma base de dados desenvolvida pelo Departamento de Educação dos EUA que oferece acesso a conteúdo da área da educação e temas relacionados. O acervo pago disponibiliza artigos de periódicos, anais de congresso, conferência, documentos governamentais, teses, dissertações, relatórios, bibliografias, livros e monografias.

4) Google Acadêmico (https://scholar.google.com.br/)

Esta é uma ferramenta de pesquisa de publicações científicas lançada em 2004 e que apresenta e discrimina resultados em trabalhos acadêmicos, literatura escolar, periódicos de universidades, capítulos de livros e artigos variados. O acesso é gratuito, mas pode levar a revistas que exigem pagamento.

5) Science.gov (https://ciencia.science.gov/)

Esta é uma iniciativa integrada de dezenas de agências e órgãos dos EUA que oferece pesquisas em mais de 60 bases de dados e em mais de 2.200 sites governamentais. Com uma versão em inglês e outra em espanhol, o portal refina resultados de buscas em milhões de páginas científicas dos Estados Unidos e de países da Europa e tem partes pagas.

 

6) ERIC (https://eric.ed.gov/)

A Educational Resources Information Center é uma base de dados desenvolvida pelo Departamento de Educação dos EUA que oferece acesso a conteúdo da área da educação e temas relacionados. O acervo disponibiliza artigos de periódicos, anais de congresso, conferência, documentos governamentais, teses, dissertações, relatórios, bibliografias, livros e monografias.

 

 

IN ENGLISH?

Como vocês puderam observar, boa parte dos sites de busca por periódicos é em inglês. Mais do que isso, boa parte dos periódicos mais bem qualificados é em inglês.

Isso não quer dizer que não tenhamos excelentes periódicos no Brasil, com ótimas classificações e de forte influência em seu currículo, mas, no mundo da pesquisa acadêmica, boa parte da produção do conhecimento se consolida nos trabalhos em língua inglesa.

Assim, se você realmente quer buscar mais argumentos para fortalecer ou refutar os seus mesmos, o inglês não é uma opção, mas sim uma necessidade.

Tendo dito, vamos ao que interessa e falar das estratégias para escolher revistas científicas.

 

CONFIRA O PASSO-A-PASSO

 

ESTRATÉGIA 01: Vá do artigo para a revista.

Não é a revista a definir o tema e a construção de seu artigo, muito pelo contrário. Para escolher a revista adequada à publicação de seu trabalho, você deve já ter um artigo previamente preparado.

Pode parecer algo lógico, mas este é um erro muito comum cometido por aqueles que estão em processo de publicação de seus artigos e trabalhos acadêmicos. O tema da revista não pode pautar o modo como você construirá o seu artigo ou trabalho acadêmico.

A pesquisa, antes de tudo, é um trabalho de inspiração. Obviamente, métodos e disciplinas auxiliam e muito na produção e nos resultados, mas não são a solução última.

Para encontrar a revista certa para publicação do seu trabalho você deve avaliar o escopo dela. Qual é o objeto de estudo dos artigos que são publicados nessa revista? Quais são as produções acadêmicas do editor? Qual o perfil acadêmico e profissional daqueles que publicam na revista? Todas essas informações vão te mostrar se essa revista é a ideal para publicação do seu trabalho.

Se a avaliação Inicial for boa, caso objeto da revista divirja com pouco de seu trabalho, cabe a você adaptá-lo, mas não de modo a descaracterizar todo esforço por você empregado.

Caso objeto da revista e do seu trabalho sejam completamente distintos, passe a avaliação de outra revista com os mesmos critérios.

 

 

ESTRATÉGIA 02: Indexador e Qualis são a mesma coisa?

Em primeiro lugar, tanto indexadores quanto o Qualis são importantes para definir se uma revista tem visibilidade e credibilidade suficiente para que um artigo possa pesar na construção do seu currículo acadêmico, mas eles não são a mesma coisa e podem ser importantes cada um em seu momento.

Vamos falar sobre cada um deles, mas não vamos nos prolongar sobre o tema, pois teremos um artigo aqui no blog específico sobre o tema.

Os indexadores reúnem um conjunto de títulos de periódicos que passaram por um processo de seleção. Impulsionados pela internet, eles levam os dados sobre os artigos de periódicos indexados, ou ainda, seus resumos aos leitores.

Os indexadores fornecem informações dos artigos originais ao leitor para facilitar a localização do material de interesse sem que seja necessário procurar minuciosamente todos os periódicos da área em questão.

Essas informações incluem, usualmente: autor; título do artigo; título do periódico; ano, volume e/ou número do fascículo; número de páginas; etc.

Já o Qualis é o conjunto de procedimentos utilizados pela Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) para estratificação da qualidade da produção intelectual dos programas de pós-graduação. A classificação é feita em categorias A1 a C, sendo o A1 uma revista de maior reputação e o C de menor reputação.

Então, possuir uma boa classificação na lista Qualis significa possuir um bom indicador de qualidade, mas não significa ser indexado. As bases de indexação acompanham periódicos selecionados, disponibilizando, no mínimo, informações bibliográficas de cada artigo publicado em cada periódico selecionado (isso não é feito na lista Qualis e nem é seu objetivo).

Conseguir uma revista com os dois elementos é ótimo, mas você deve avaliar o objetivo final de sua publicação. Um artigo em revista indexada terá uma visibilidade específica dentro de uma base de dados.

Então, todos os que procurarem por determinado tema dentro daquela base de dados podem se deparar com o seu artigo.

Já uma revista com Qualis alto vai ter um peso na mesma proporção se você for discente ou docente de Mestrado/Doutorado.

 

ESTRATÉGIA 03: Prazos

Como o próprio nome diz, as revistas científicas em sua maioria têm uma periodicidade de publicações.

Algumas delas recebem constantemente artigos, estes que são submetidos para avaliadores e, caso aprovados e estando adequadas aos parâmetros das revistas, entram em uma espécie de “fila de espera” para a publicação.

A ideia das revistas com publicações periódicas é exatamente a mesma, só devendo ser observado que o período de submissão de trabalhos prontos, o que será definido por cada uma delas.

Caso você já tenha escolhido uma revista para a publicação do seu trabalho acadêmico, esteja atento aos prazos de envio, bem como aos prazos dados pelos avaliadores para que as modificações no trabalho sejam feitas.

 

ESTRATÉGIA 04: Formatação

Da mesma maneira que as revistas têm prazos específicos para receber e publicar trabalhos acadêmicos, cada uma delas têm regras próprias para formatação dos artigos.

É isso mesmo: apesar do Brasil definir as normas da ABNT como um padrão geral de formatação de trabalhos acadêmicos, cada um dos periódicos define as suas próprias para a felicidade geral da nação.

É possível ter o seu trabalho acadêmico reprovado para publicação caso a formatação seja inadequada, mesmo que o conteúdo seja perfeito. Por isso, para não pôr em risco meses de trabalho de pesquisa intenso para a produção de um artigo científico, esteja atento às normas das revistas sobre a formatação dos artigos acadêmicos que elas receberam.

Ah, uma dica: normalmente estas regras estão na seção “diretrizes para os autores “.

ESTRATÉGIA 05: Tenha coerência

Nós já falamos aqui no blog em outro artigo sobre a necessidade de coerência na construção da sua carreira acadêmica.

Apelar para uma mixórdia muito grande de conhecimentos nem sempre é o adequado para a sua construção enquanto pesquisador ou mesmo para a sua imagem como profissional perante a comunidade acadêmica. Os artigos científicos são parte importante nesta construção.

Após avaliar o escopo de uma determinada revista, o seu objeto de estudo e análise, você deve também identificar como aquele tema se relaciona com a sua própria pesquisa acadêmica e com você mesmo enquanto pesquisador.

Um detalhe: em algumas provas de títulos em processos seletivos de Mestrado e Doutorado normalmente só pontuam artigos com relação à temática da sua área de formação ou área do próprio concurso. Por isso, esteja atento.

 

ESTRATÉGIA 06: Não se iluda com o primeiro lugar

Esta é uma dica prática aprendida ao longo dos anos e a custo de muito estresse.

Não pense que o único meio de consolidar o seu currículo com publicações de qualidade e visibilidade é somente em Revistas de Qualis A1. Isso é um erro!

Infelizmente, como já dissemos em outras publicações, existe muito vaidosismo no meio acadêmico e nas revistas científicas não é diferente. Há avaliadores que utilizam critérios não-lógicos para definir se um artigo é ou não adequado à sua revista.

 

 

O CAED-JUS PODE TE AJUDAR A PUBLICAR?

Se você está aqui no blog, você confia em nós e sabe que podemos te ajudar.

Não tenham dúvidas de que os eventos do Conselho Internacional de Altos Estudos em Direito (CAED-Jus) podem auxiliar a sua produção acadêmica agora mesmo. Nós realizamos eventos periódicos com intensa produção e divulgação de pesquisa acadêmica, reunindo pesquisadores e palestrantes de várias partes do Brasil e do mundo. Se você tem vontade de produzir e publicar o seu trabalho em meio a um grupo de qualidade intelectual ímpar, seu lugar é aqui.

Os eventos do CAED-Jus podem contribuir pelo menos com o seguinte:

  1. Membership em associação internacional
  2. Apresentação de trabalho em evento
  3. Participação em evento
  4. Publicação de trabalho como capítulo de livro impresso

Você pode acessar o site do CAED-Jus em www.caedjus.com/eventos e se inscrever no próximo evento programado com um artigo de sua autoria. Aproveite esta oportunidade!

A propósito, você seguiu essas dicas que falei e deu certo? Compartilhe conosco! Nos avise pelo email [email protected] e vamos conversar…

 

Sobre os autores:

Felipe Asensi

Diretor do Instituto Diálogo, Pós-Doutor em Direito pela UERJ, Doutor em Sociologia pelo IESP/UERJ,Mestre em Sociologia pelo IUPERJ,Advogado formado pela UFF, Cientista Social formado pela UERJ, Membro Efetivo do IAB e da Academia Luso-Brasileira de Ciências Jurídicas, Senior Member da Inter-American Bar Association (IABA), Professor da UERJ, UCP, USU e AMBRA College, Autor de 34 livros.

Diego Monnerat

Mestrado em Direito pelo PPGD/UCP como Bolsista CAPES, na linha de pesquisa Fundamentos da Justiça e dos Direitos Humanos/Área de Concentração: Justiça, Processo e Direitos humanos. Graduado em Direito pela Universidade Candido Mendes-Nova Friburgo. Extensão em Direito Médico pela EMERJ. Professor tutor da Universidade Unyleya. Advogado (OAB/RN). Foi membro da Comissão de Saúde da Ordem dos Advogados do Brasil – Subseção de Mossoró/RN.

______________________________________________________________________________________________________________________________

Imagens: Created by Ijeab – Freepik.com
Posted in

CAED-Jus

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.