caedjus.com

Como elaborar um título para o seu trabalho acadêmico

Elaborar um título para o seu artigo acadêmico, tcc, dissertação ou tese pode ser algo desafiador e, para alguns, gerar até uma certa paralisia criativa, não é verdade?

Um bom título não é somente uma questão de estilo literário. Vai muito além. É estratégia.

Afinal, o seu título não é só a primeira coisa que um leitor verá no seu texto, mas também um conjunto de palavras que coordenará as possibilidades de resultados em algoritmos de busca, como no Google e Bases Bibliográficas. Ou seja, o título é um excelente cartão de visitas e talvez determinante para o seu leitor prosseguir no trabalho ou não.

E você poderia dizer: “Mas tem tanta coisa assim para se falar de um título?”. Tem – e como! Confira neste post alguns erros e dicas essenciais para construir excelentes títulos para o seu trabalho acadêmico.

 

ERROS MAIS COMUNS NA ELABORAÇÃO DE UM TÍTULO

Como os erros são sempre pedagógicos, comecemos justamente por eles.

Afinal, quais são os erros mais comuns na elaboração de um título de trabalho acadêmico? Nós acreditamos que são os seguintes:

  1. Fuga do tema: há pessoas que fogem do tema na elaboração do título, mesmo que o intuito seja passar as informações compreendidas como necessárias. Lembre-se: “menos é mais”;
  2. Confusão: há pessoas que fazem jogos de palavras na construção do título, o que o torna confuso. O objetivo do título é esclarecer o leitor e convidá-lo a continuar a leitura. Ele deve ser mais uma “isca” do que um “enigma”;
  3. Pouca praticidade: o título não é seu artigo. Por isso, são desnecessários períodos longos. É importante a praticidade e informar ao leitor o que ele precisa para seguir em frente;
  4. Abrangência: um título que diga “A Concepção dos Direitos Humanos no Brasil”, por exemplo, passa uma impressão muito genérica e imprecisa. Na maioria dos casos, o autor só tratou a perspectiva de um autor específico ou alguns autores e não fez um diálogo mais profundo entre os estudiosos e pesquisadores do tema. Demonstre especificidade no seu título, e não abrangência.
  5. Vocabulário: não é recomendado usar expressões, trejeitos e gírias de oralidade (“né”, “daí”, “tipo assim”, “tá ligado”), nem mesmo abreviações de internet como (“vc”, “cmg” “tb”, “q”, “pq”, “qdo”, “pra”). Use as palavras por extenso, especialmente porque permitirá uma melhor identificação do seu trabalho no Google e nas Bases Bibliográficas;
  6. Falta de revisão: revise seus textos e evite erros ortográficos e gramaticais. Ah, e não confie cegamente em corretores automáticos!

 

TÉCNICAS DE “MATURAÇÃO” DOS TÍTULOS DE ARTIGOS ACADÊMICOS

Agora que sabemos a estrutura básica que deve constar em um título, podemos falar sobre técnicas de “maturação” que tornam o seu título chamativo e adequado a um trabalho de qualidade no meio científico. Confira:

  1. Títulos que deixem claro como alcançar determinado objetivo de pesquisa tendem a ser atrativos: muitos pesquisadores, ao buscarem por trabalhos científicos, tendem a analisar as metodologias e as técnicas utilizadas nos trabalhos. Assim, um título que demonstre sucesso ao alcançar o objetivo de pesquisa é um estímulo ao leitor;
  2. Elencar um determinado número de métodos, de objetos de pesquisa ou resultados em um título também pode ser uma ferramenta útil. Por exemplo, se o seu título deixar claro que foram analisados dez juizados especiais cíveis, o leitor saberá a amplitude do seu trabalho e ficará atraído pela leitura;
  3. Caso você não queira já apresentar resultados no seu título, também é possível realizar a construção de um título a partir do seu problema de pesquisa, ou seja, apresentando o tema na seção do título e o problema de pesquisa no subtítulo, dizendo ao leitor o que ele deve pensar (subtítulo) para compreender algo (título);
  4. O seu título deve ser conexo com o restante do seu trabalho, sobretudo resumo e desenvolvimento. Um deve ser complemento do outro. Isso mostrará ao leitor que você tem qualidade técnica tanto de pesquisa quanto de redação;
  5. Não alimente falsas esperanças no seu leitor. Seja honesto na elaboração do título de acordo com o nível técnico do seu trabalho. Se a sua pesquisa ainda está em fase de desenvolvimento e não tem resultados concisos, não elabore um título que induza o leitor a pensar que encontrará a solução de todos os seus problemas, por exemplo;
  6. Você também pode optar por utilizar metáforas ou outras interpretações a determinados termos para apresentar o título, desde que não se perca a objetividade. Também pode fazer jogos de palavras para externar o seu tema;
  7. Existe o ditado “menos é mais” e ele também pode ser transposto à elaboração de um título adequado para um trabalho acadêmico. Não se perca e mantenha uma linha específica. Faça um título que entregue e apresente a pesquisa de modo simples, prático e objetivo;
  8. Você só deve “bater o martelo” do título ao final, mesmo que já tenha uma ideia provisória. Com o trabalho finalizado, você saberá exatamente quais as palavras necessárias para fornecer ao título tudo aquilo que ele precisa demonstrar. Por isso, sem pressa!

 

DICAS DE COMO ELABORAR TÍTULOS PARA ARTIGOS ACADÊMICOS

#1 PARÂMETROS BÁSICOS

A NBR 14724:2011, editada pela ABNT, demonstra as informações fundamentais para a apresentação de trabalhos acadêmicos.

Em meio a regras de formatação e ordenação dos capítulos, há um parágrafo dedicado exclusivamente ao título.

A partir dessas regras, podemos estabelecer alguns parâmetros na tentativa de criar um modelo para um título. Para isso, poderíamos de ir de uma fórmula sintética para uma analítica:

→ Título: Subtítulo (sintética)

→ Termo Foco: Finalidade+Método (analítica)

 

#2 TÍTULO E TERMO FOCO

Segundo a NBR 14724:2011, título é uma palavra, expressão ou frase que designa o assunto ou o conteúdo de um trabalho”.

Em termos topológicos é nome ou expressão que se coloca no começo de um livro, em seus capítulos, em publicação jornalística, peça teatral, filme, música etc., que pode indicar o assunto ou simplesmente identificar, individualizar a obra ou o trabalho.

Título e tema não são sinônimos, mesmo que invariavelmente se completem. O tema é o assunto a ser desenvolvido em seu texto dissertativo argumentativo. Então, é a linha mestra que percorrerá todo o seu trabalho acadêmico. Ele deverá nortear também a elaboração do tema no sentido de indicar o “Termo Foco”, que poderíamos conceituar como uma palavra ou expressão pequena que reúna todo o sentido do trazido pelo tema.

É um trabalho difícil? Muito, mas é por isso que você deverá elaborar o título somente ao fim do desenvolvimento, preferencialmente de todo o trabalho, pois seu raciocínio sobre a pesquisa já estará devidamente maduro para este intento.

Em resumo, seu título, antes dos “dois pontos”, deverá expressar o Termo Foco, aquilo que reúne o sentido do seu tema.

 

#3 SUBTÍTULO E FINALIDADE+MÉTODO

Uma observação: o subtítulo é obrigatório? Não é, mas é um instrumento útil para dar firmeza ao seu trabalho.

A ABNT diz que subtítulos são “informações apresentadas em seguida ao título, visando esclarecê-lo ou complementá-lo, de acordo com o conteúdo do trabalho”. A palavra-chave está na descrição, “complemento”. O subtítulo dará sentido ao “Termo Foco” e mostrará como ele foi alcançado.

A complementação do Termo Foco será feita com o binômio Finalidade+Método. O primeiro pode ser compreendido como o objetivo geral de seu trabalho e o segundo a metodologia aplicada para conseguir alcançar o objetivo.

Uma dica é: Não use a mesma expressão-chave no título e no subtítulo, mais especificamente como Termo Foco e Finalidade. Busque palavras com o mesmo sentido contextual.

 

#4 APOIE-SE EM EXEMPLOS

Existe também mais um ditado que diz “palavras conquistam, mas exemplos arrastam”, pois bem. Bons artigos com títulos bem construídos podem servir de base para análise e aprendizado para estruturar o seu próprio.

Para ilustrar, podemos dar um excelente exemplo. Como vocês sabem (e é por isso que estão aqui), o Conselho Internacional de Altos Estudos em Direito (CAED-Jus) é uma iniciativa de uma rede de acadêmicos brasileiros e internacionais para o desenvolvimento de pesquisas jurídicas e reflexões de alta qualidade.

Seus eventos produzem artigos de altíssima qualidade técnica e jurídica. Você poderá encontrar os produtos dos eventos na seção “Livros” no site do CAED-Jus clicando aqui. Vejamos uns exemplos:

“Eu quero o divórcio… e o cachorro!”: uma análise acerca do tratamento jurídico contemporâneo atribuído aos animais de estimação no contexto de dissolução da união estável – de Catharine Black Lipp João;

Necessidade da descriminalização da eutanásia no ordenamento jurídico brasileiro: breve análise a partir da obra “as intermitências da morte” – Iasmim Barbosa Araújo e Pedro Higor Silva Oliveira;

Trabalho escravo contemporâneo no Brasil: Uma análise da violação dos direitos humanos e fundamentais através do caso José Rodrigues – de Carla Sendon Ameijeiras Veloso, Larissa Pimentel Gonçalves Villar e Mariana Emeline Mesquita Rothstein.

 

Ah, vale lembrar que no CAED-Jus você pode não só ter acesso as obras das quais estes artigos são integrantes, mas também publicar em uma delas!

 

E COMO O CAED-JUS PODE TE AJUDAR?

Participe de um dos eventos do CAED-Jus e tenha seu trabalho reconhecido pela comunidade acadêmica internacional. Os eventos do CAED-Jus podem contribuir pelo menos com o seguinte:

  1. Membership em associação internacional
  2. Apresentação de trabalho em evento
  3. Participação em evento
  4. Publicação de trabalho como capítulo de livro impresso

 

Você pode acessar o site do CAED-Jus em www.caedjus.com e se inscrever no próximo evento programado com um artigo de sua autoria. Aproveite esta oportunidade!

 

Gostou deste artigo? Comente e compartilhe em suas redes sociais.

 

Sobre os autores:

Felipe Asensi

Diretor do Instituto Diálogo, Pós-Doutor em Direito pela UERJ, Doutor em Sociologia pelo IESP/UERJ,Mestre em Sociologia pelo IUPERJ,Advogado formado pela UFF, Cientista Social formado pela UERJ, Membro Efetivo do IAB e da Academia Luso-Brasileira de Ciências Jurídicas, Senior Member da Inter-American Bar Association (IABA), Professor da UERJ, UCP, USU e AMBRA College, Autor de 34 livros.

Diego Monnerat

Mestrado em Direito pelo PPGD/UCP como Bolsista CAPES, na linha de pesquisa Fundamentos da Justiça e dos Direitos Humanos/Área de Concentração: Justiça, Processo e Direitos humanos. Graduado em Direito pela Universidade Candido Mendes-Nova Friburgo. Extensão em Direito Médico pela EMERJ. Professor tutor da Universidade Unyleya. Advogado (OAB/RN). Foi membro da Comissão de Saúde da Ordem dos Advogados do Brasil – Subseção de Mossoró/RN.

______________________________________________________________________________________________________________________________

 

Posted in

CAED-Jus

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.